Seguidores

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Fome


Fome

O poeta alimenta
o amor dos outros,
mas prova, por vezes,
um amargo gosto:

quando o poeta receita
o poema a uma mulher,
que gostando do prato
o serve a’um qualquer,

o que deve o poeta
com o poema fazer:
alimentar o mundo
ou primeiro comer?
Lucian

24 comentários:

  1. Oi Lucian querido


    Óh, duvida cruel....


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Arrisca-se a responder, Ani?! rsrs Beijos!

      Excluir
  2. Que texto interessante, acho que os poetas alimentam o mundo, mas já provaram o seu amargo também, mesmo que as vezes em pensamento.
    Belo texto.


    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Mayara! Passo por isso. rs Beijos e obrigado pela visita!

      Excluir
  3. Gostei muito do teu blog, parabéns!
    Vem conhecer o meu:
    leiakarine.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela generosidade, Karine! Já gosto e sigo o teu! Beijos!

      Excluir
  4. Sim, realmente, caro Lucian. Acabei saindo do Recanto o ano passado (Dezembro), mas em breve estarei voltando...

    Sobre o texto, é interessante, de certo!

    Gostei do contexto em si...

    Tenha um bom domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, John! Bom fim de semana! Abraços!

      Excluir
  5. Interessante questionamento! abraços,chica

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. Obrigado pela visita e generosidade, Josú! Abraços!

      Excluir

  7. Caro Lucian !!!

    Muito me honrou a sua visita ao meu Blog.
    Obrigado pelo carinho para comigo e meus
    Trabalhos. Seu Blog é também muito bacana.
    Gostei de tudo que vi. Está de parabéns. Já
    Sou seu seguidor.
    Beijos de luz!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    POETA CIGANO – 18/02/2013

    http://carlosrimolo.blogspot.com
    “Poesias do Poeta Cigano”

    http://facebook.com/poetacigano

    http://facebook.com/groups/296470613762821
    (Cantinho do Poeta Cigano)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pela visita e palavras, Carlos! Abraços!

      Excluir
  8. Oi Lucian!

    O poeta alimenta o amor dos outros
    e faz desse amor o seu próprio amor,
    mesmo que muitas vezes seu coração se encontre triste.

    Muito lindo seu poema!

    Obrigada pela sua visita tha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desvendou o poema em poucas e belas palavras, Mary! Obrigado pela visita também! Abraços!

      Excluir
  9. Boa noite Lucian!!

    Amo demais teus trabalhos.
    Esse então me deixou encantada....Bendito seja o Poeta que alimenta meu sonho...me faz acreditar ,me sustenta o sentimento.
    Te sigo DUAS vezes....
    abraços
    vera portella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verinha, tua presença também me deixa bastante encantado, por esse estímulos pra prosseguir através de suas palavras! Obrigado! Abraços!

      Excluir
  10. Pois é, eis a questão.
    Em todo o caso, a poesia
    do poeta sempre precisa
    alimentar o mundo.
    Apesar do mundo.
    É sina de poeta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sido minha sina, mesmo que modestamente! Abraços e obrigado, Lola!

      Excluir
  11. Eis um dilema. Acredito que o poeta alimenta o amor dos outros, mas, ao mesmo tempo, alimenta-se a si mesmo de poesias e de tudo aquilo que se escreve. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E alimenta-se da falta de amor dos outros, geralmente causando má digestão! rsrs Obrigado pela visita, Aline! Abraços!

      Excluir
  12. Nada modesto esse teu blog. Poeta inspirado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem generosa a sua visita! Obrigado pelas palavras, Jandira! Abraços!

      Excluir